SABE O QUE MUDOU NA LEI DOS SALDOS? SABE O QUE MUDOU NA LEI DOS SALDOS?
Foi publicado o Decreto-lei n.º 109/2019 de 14 de Agosto que procede à segunda alteração ao Decreto – Lei n.º 70/2007, de 26 de... SABE O QUE MUDOU NA LEI DOS SALDOS?

Foi publicado o Decreto-lei n.º 109/2019 de 14 de Agosto que procede à segunda alteração ao Decreto – Lei n.º 70/2007, de 26 de Março, alterado pelo Decreto -Lei n.º 10/2015, de 16 de Janeiro, que regula as práticas comerciais com redução de preço. São alterados os seguintes artigos: 3.º Definições, 5.º Preço de referência, 10ª Venda em saldos, 11.º Promoções, 13.º Declaração da liquidação e 16º Contra-ordenações.

Não obstante esta alteração aparecer sumariada como uma alteração que “simplifica e harmoniza os procedimentos que os comerciantes devem cumprir sempre que comunicam à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica que pretendem realizar vendas em saldo ou em liquidação”, a verdade é que este diploma introduz algumas alterações de fundo, nomeadamente, ao conceito de saldos.

Por saldos, na redação dada pelo novo diploma, entende-se: a venda de produtos praticada a um preço inferior ao preço mais baixo anteriormente praticado no mesmo estabelecimento comercial, com o objetivo de promover o escoamento acelerado das existências; Por sua vez, entende-se por preço mais baixo anteriormente praticado, o preço mais baixo a que o produto foi vendido, fora de eventuais períodos de saldo ou de promoção, nos 90 dias anteriores ao dia em que é posto à venda em saldo ou em promoção.

A venda em saldos pode realizar-se em qualquer período do ano, desde que não ultrapasse, no seu conjunto, a duração de 124 dias por ano. Também o conceito de promoções é alterado, utilizando-se, igualmente, o critério do preço mais baixo anteriormente praticado ou com condições mais vantajosas do que as utilizadas nos períodos de vendas sem redução de preço, praticadas no mesmo estabelecimento comercial. Mas relativamente a produtos não comercializados anteriormente, o diploma define como promoções, as vendas “a um preço inferior ao preço a praticar após o período de redução ou com condições mais vantajosas do que as utilizadas após este período”.

Quanto aos procedimentos, a venda em saldos (e liquidações) continua sujeita à obrigatoriedade de envio de uma declaração emitida pelo operador económico dirigida à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), com uma antecedência mínima de cinco dias úteis, mas a declaração tem que ser enviada exclusivamente através Portal «e.Portugal». Foi, no entanto, introduzida uma disposição transitória que permite que “os operadores económicos podem, até ao dia 30 de junho de 2020, notificar a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica
através de qualquer meio de comunicação legalmente admissível”.

Conheça melhor as alterações introduzidas ao Decreto-lei aqui.